segunda-feira, 10 de agosto de 2009

O Espectro



Anda um triste fantasma atrás de mim
Segue-me os passos sempre! Aonde eu for,
Lá vai comigo…E é sempre, sempre assim
Como um fiel cão seguindo o seu Senhor!

Tem o verde dos sonhos transcendentes,
A ternura bem roxa das verbenas,
A ironia purpúrea dos poentes,
E tem também a cor das minhas penas!

Ri sempre quando eu choro, e se me deito,
Lá vai ele deitar-se ao pé do leito,
Embora eu lhe suplique:Faz-me a graça

De me deixares uma hora ser feliz!
Deixa-me em paz!…” Mas ele, sempre diz:
“Não te posso deixar, sou a Desgraça!”

Florbela Espancaes - 28/06/1916

2 comentários:

War Inside My Head disse...

Ola querida Branquinha...(se assim posso te chamar)
Em 1° lugar gostaria de lhe agradecer por comentar em meu blog!
Por ser tão sincera sempra dócil e cativante, por isso cada vez mais estou motivado a escrever!
E também estou aqui para comentar sobre o post , confesso que gosto muito de Florbela Espanca, acho suas poesias citricas, envoltas de um turbilhão de emoções resguardadas...
E o que disse em meu Blog é bem isso mesmo, quando estou com muita vontade de escrever , acabo liberando tudo o que sinto, e transpondo em palavras!
Beijo enorme , sempre bom ve-la em meu Blog!

Rosane ! disse...

Oi Branca !!! obrigado pela visita em meu blog !!!
Eu simplesmente sou apaixonada pelas poesias de Florbela Espanca... tudo que ela escreveu sinto que sou ali, naqueles versos.

Bjos.